Adenocarcinoma: o que significa quando esta palavra aparece no resultado do exame?

16/04/2018

Adenocarcinoma: o que significa quando esta palavra aparece no resultado do exame?

O adenocarcinoma se caracteriza por ser um tumor maligno, derivado das células glandulares epiteliais secretoras, que pode afetar quase todos os órgãos do corpo:

  • pulmões;
  • intestinos;
  • pâncreas;
  • fígado;
  • colo do útero;
  • etc.

As células epiteliais também podem originar um tumor benigno, o adenoma, o qual pode se transformar em um adenocarcinoma, por diferentes motivos. Normalmente, Quando os adenocarcinomas aparecem em um exame, significa que o paciente está com um tipo de câncer bastante agressivo e de difícil remoção cirúrgica. Já o adenoma, embora benigno, pode causar sérios problemas ao funcionamento orgânico do corpo, em virtude de compressões ou de destruição dos órgãos.

Quais são as causas do adenocarcinoma?

As causas exatas do aparecimento dos adenocarcinomas ainda são pouco conhecidas pela comunidade científica. No entanto, sabe-se de fatores gerais que contribuem para que ele ocorra, como:

  • hereditariedade;
  • poluição;
  • idade avançada;
  • fumo, nos tumores de pulmão;
  • reposição hormonal, nos tumores de mama;
  • qualidade da alimentação, nos tumores de estômago ou intestino.

Quais são os principais sintomas dos adenocarcinomas?

Os sintomas dos adenocarcinomas dependem de qual órgão eles afetam ou comprimem. Conforme a sua localização, os adenocarcinomas podem evoluir durante muito tempo sem apresentar nenhum sintoma. Como a condição pode afetar quase todos os órgãos, a sintomatologia gerada é extremamente variável. Por isso, só se pode abranger uma amostragem deles.

Adenocarcinoma de pulmão

É uma das mais frequentes formas de câncer de pulmão, comum, também, em não fumantes. Às vezes, evolui durante muito tempo sem apresentar sintomas e seu diagnóstico costuma ser feito em um exame de imagem do tórax, normalmente realizado por outros motivos. Seus sintomas podem incluir:

  • tosse;
  • escarro, com vestígios de sangue;
  • dor torácica;
  • dispneia;
  • chiado no peito;
  • perda de peso.

Adenocarcinoma de intestino

Como o câncer do cólon ou de intestino pode evoluir sem sintomas, em sua fase inicial, ele frequentemente é detectado durante um exame de rotina ou feito em razão de outro diagnóstico. Quando os sintomas começam a aparecer, eles costumam ser:

  • dor abdominal;
  • sangramento retal, aparente ou não (sangue oculto nas fezes);
  • mudanças nos hábitos intestinais;
  • anemia;
  • e, nos casos mais avançados, percepção de massa abdominal; hepatomegalia (crescimento do fígado) e ascite (“água na barriga”).

Adenocarcinoma de colo do útero

Inicialmente, o adenocarcinoma de colo do útero pode não apresentar sintomas. Mas, quando eles começam a aparecer, caracterizam-se como:

  • um sangramento vaginal intermitente;
  • uma secreção vaginal de odor fétido;
  • dor abdominal;
  • distúrbios urinários e/ou intestinais, nos casos mais avançados.

Adenocarcinoma de pâncreas

Geralmente, a maioria dos tumores que aparecem no pâncreas são adenocarcinomas. Eles crescem, também, sem apresentar sintomas e, por isso, só são descobertos em um estágio tardio da doença, às vezes já como consequência de metástase ou de compressão de órgãos vizinhos, como o colédoco (canal que drena a bile da vesícula para o intestino), por exemplo, impedindo a sua função. Os sintomas mais precoces costumam ser dor, icterícia e perda de peso.

Adenocarcinoma de estômago

Em uma fase inicial, o adenocarcinoma de estômago pode não apresentar sintomas. Mas os mais característicos, quando se iniciam, costumam ser:

  • anorexia;
  • enjoos;
  • sensação precoce de estômago cheio;
  • intolerância à carne, com dificuldade de digestão;
  • dor abdominal;
  • dificuldade de engolir;
  • digestão imperfeita;
  • emagrecimento.

Nos estágios mais avançados, pode haver massa tumoral palpável na região onde fica o estômago, sangramento intestinal alto, fraqueza extrema e anemia severa.

Adenocarcinoma de mama

A grande maioria dos tumores da mama são adenocarcinomas e se iniciam nos tecidos glandulares. Geralmente, manifesta-se como um nódulo duro, indolor e sem mobilidade. De início, podem gerar os seguintes sintomas:

  • deformidade e aumento de volume da mama;
  • retração do mamilo;
  • crescimento dos gânglios axilares;
  • vermelhidão;
  • edemas;
  • dor e secreção de líquido pelos mamilos.

Como o médico diagnostica um adenocarcinoma?

O diagnóstico por imagem do adenocarcinoma é feito como o de outros tipos de câncer. Eles, geralmente, são detectados por meio de exame do material colhido em uma biópsia e examinado em um microscópio. Caso o tumor seja descoberto, requer tratamento oncológico imediato, pois os adenocarcinomas são de rápida progressão e pode espalhar metástases com facilidade, permitindo ao câncer atingir outros órgãos, além do local de origem.

Como o oncologista trata o adenocarcinoma?

O tratamento do adenocarcinoma inclui a remoção cirúrgica do tumor e os cuidados com as possíveis complicações que ele tenha causado ao organismo. Após a cirurgia, o paciente deve passar por uma quimioterapia e/ou radioterapia, para evitar que o tumor apareça novamente.