Câncer de estômago sintomas e tipos de tratamento

Por: - CRM/SC 8999 - RQE 5626
Publicado em 10/09/2019 - Atualizado 14/01/2020

Câncer de estômago sintomas e tipos de tratamento

O câncer de estômago é o terceiro tipo de câncer mais frequente entre os homens e fica em quinto lugar entre o sexo feminino, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA)

Responsável por acometer, em sua maioria, homens de 60 à 70 anos, o câncer de estômago deve ser diagnosticado o quanto antes, para que seja possível tratá-lo da melhor forma possível.

Felizmente, hoje em dia, o tratamento para o câncer está cada vez mais direcionado para tratar a doença de forma eficaz, buscando oferecer um tratamento mais humanizado e proporcionando maior qualidade de vida ao paciente.

Ouça este conteúdo: 

 

Fique atento na leitura do artigo para conhecer mais sobre o câncer de estômago e esteja pronto para evitá-lo ou identificá-lo precocemente, otimizando assim o seu tratamento.

Câncer de estômago: como se desenvolve?

O câncer de estômago pode se manifestar com diferentes tipos de tumores. De acordo com o INCA, o mais comum, correspondente a 95% dos casos é chamado de adenocarcinoma e tem início na mucosa estomacal. Entretanto, os 5% restante de variações de câncer de estômago são tipos mais raros, que incluem os tumores estromais do trato digestivo, os linfomas e os tumores neuroendócrinos.

É importante deixar claro que o câncer de estômago pode ter início em diferentes regiões do órgão e por isso, para cada caso será destinado um tipo de tratamento. Da mesma forma, o câncer de estômago pode evoluir de variadas formas, ou seja, invadindo vasos linfáticos, órgãos e linfonodos próximos ao local atingido.

Na maioria das vezes, o adenocarcinoma pode ser confundido com gastrites e outros problemas digestivos e, sem identificá-lo corretamente, é possível que leve até três anos para que seja diagnosticado. Por isso, é tão importante estar atento à sua identificação precoce.

Como identificar precocemente o câncer de estômago

Geralmente, o câncer de estômago, também conhecido como câncer gástrico, não se desenvolve bruscamente, mas de forma lenta. Ou seja, antes do surgimento de sintomas do câncer de estômago propriamente dito, o organismo passa por alterações no revestimento interno do estômago, que dificilmente causa sintomas específicos.

Por isso, muitas vezes, o paciente leva muito tempo para identificá-lo e dessa forma, é fundamental manter-se atento às consultas regulares com o seu médico, a fim de evitar o surgimento da doença. Assim sendo, uma das maneiras de identificá-lo de forma precoce é manter-se atento aos fatores de risco, que podem ser descritos por:

  • tabagismo e consumo de álcool ou a combinação de ambos;
  • sobrepeso e obesidade;
  • ingestão de água de poço com alta concentração de nitrato;
  • doenças pré-existentes, como anemia perniciosa, infecção pela bactéria helicobacter e lesões pré-cancerosas;
  • exposição à radiação ionizante em indústria ou hospitais;
  • exposição à compostos químicos, principalmente agrotóxicos.

Caso você se identifique com esses hábitos ou tenha tido algum caso de câncer de estômago na família, procure um médico a fim de verificar se está apto a desenvolver a doença.

Diagnóstico

Ao começar a investigar o câncer de estômago em sua fase inicial, será necessário que o paciente passe por determinados exames de detecção, como alguns exames clínicos. Esses testes serão feitos de acordo com a análise clínica e orientação da suspeita da doença.

Ou seja, quando não há a identificação de sintomas, mas as chances de desenvolvê-la existem, será solicitado alguns exames de rastreamento. No entanto, caso já se manifestem alguns sintomas sugestivos, os exames solicitados serão de diagnóstico precoce e consistem em testes laboratoriais ou radiológicos.

Por exemplo, quando o indivíduo experimenta alguns sintomas gerais, em alguns casos, esses podem estar sinalizando o câncer de estômago. São eles:

  • perda de peso sem razão aparente;
  • diminuição do apetite;
  • refluxo;
  • indigestão;
  • incômodo ou dor intensa na parte superior do abdômen;
  • massa na parte superior do abdômen.

No entanto, embora os sintomas possam não ter relação apenas com o câncer de estômago, quando aparecem em pessoas já predispostas, é importante que sejam investigados com maior atenção, conforme a solicitação de exames de maior especificidade.

Qual a melhor forma de tratar o câncer de estômago?

O câncer de estômago pode ser tratado de algumas formas distintas, conforme o estágio, localização e progressão da doença. Veja como:

Cirurgia para o câncer de estômago

Quando o tumor está restrito apenas ao órgão e aos gânglios linfáticos ao redor, o principal tratamento é o procedimento cirúrgico. Durante a cirurgia, será possível confirmar se não há disseminação do tumor, que pode não ter sido constatada nos exames pré-operatórios.

Dessa forma, será avaliado se o órgão será totalmente removido ou apenas parte dele, conforme a extensão da lesão e a especificidade da localização do tumor.

Cuidados paliativos

Quando o estágio do câncer de estômago não permite a realização da cirurgia ou quando há metástase, o tratamento sugerido é apenas paliativo. Dessa forma, é possível aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida do paciente.

Além disso, é importante que a quimioterapia paliativa e o controle dos sintomas seja acompanhado de um acompanhamento psicológico do paciente e familiares.

Quimioterapia e radioterapia

A quimioterapia pode e ser realizada antes e depois da cirurgia, já que esse procedimento aumenta as chances de cura.

No entanto, quando os tumores estão em estágio inicial, o especialista poderá orientar outra forma de tratá-lo, com menos sessões de quimioterapia ou outra abordagem terapêutica.

Já a radioterapia pode ser indicada, dependendo do caso, após o procedimento cirúrgico, o que também auxilia na otimização do tratamento.

Outras abordagens de tratamento

Quando o caso é um linfoma gástrico, por exemplo, a sugestão do tratamento pode incluir medicações para tratar infecção pela H.pylori e anticorpo contra linfócitos B, além das abordagens já descritas. Além disso, medicamentos via oral também podem auxiliar na evolução do tratamento do câncer de estômago.

O Dr. Maurício Peressoni explicou um pouco mais sobre o câncer de estômago. Confira!

Esteja atento

De qualquer forma, por apresentar sintomas muito silenciosos e facilmente confundíveis, o câncer de estômago merece uma atenção bem direcionada. Esteja atento aos fatores de risco e histórico na família e não espere sentir dor para procurar ajuda médica, pois quando isso acontecer, pode ser que o quadro da doença já esteja avançado.

Por isso, faça consultas regulares e exames periódicos. Assim, será possível realizar um diagnóstico precoce e otimizar o tratamento da melhor forma possível. Na melhor das hipóteses, é ainda possível evitá-lo de se manifestar, mudando o estilo de vida e incorporando novos hábitos e cuidados à rotina.

Gostou do artigo? Entre em contato com a nossa equipe e acompanhe mais artigos informativos no blog da clínica


Material escrito por:
- CRM/SC 8999 - RQE 5626
Publicado em 10/09/2019 - Atualizado 14/01/2020

Curso de Medicina na Universidade Federal de Santa Catarina (2000). Especialização em Clínica Médica (2002). Especialização em Oncologia CLínica no...

Agendamento Online
Whatsapp