Imunoterapia e imunobiológicos: o que há em comum?

Por: - CRM/SC 17.376 - RQE 14.798
Publicado em 09/02/2020

Imunoterapia e imunobiológicos: o que há em comum?

A imunoterapia e imunobiológicos são mecanismos de atuação para tratar tanto as doenças autoimunes, como o câncer. Embora sejam bastante parecidos na forma em que atuam, também se diferenciam em alguns pontos.

Leia o artigo e entenda sobre ambos os tratamentos e descubra de que forma podem auxiliar no controle de doenças autoimunes e também nos cuidados do câncer.

Imunoterapia e imunobiológicos: o que há em comum?

Como vimos, tanto a imunoterapia quanto os medicamentos imunobiológicos atuam no tratamento de doenças autoimunes e do câncer

O que há em comum em ambos os tratamentos é que o mecanismo de ação é destinado ao controle da resposta imunológica sob uma perspectiva de alta inteligência tecnológica.

Mas, em que consiste cada um desses tratamentos? 

Entenda como funcionam, de que forma atuam e em que situações são indicados esses tipos de medicação para o controle das doenças.

Imunoterapia

A imunoterapia é um tipo de tratamento biológico destinado a combater diversas doenças, como infecções, doenças autoimunes e alguns tipos de câncer.

Melanoma, câncer de pulmão e câncer renal, por exemplo, são alguns tipos de câncer que respondem muito bem ao tratamento de imunoterapia, principalmente quando este é combinado com outras terapias alvo associadas.

O mecanismo de atuação da imunoterapia é a potencialização do sistema imunológico, que se dá de diferentes formas. 

Ou seja, enquanto alguns medicamentos da imunoterapia estimulam o sistema imunológico de forma ampla, outros são responsáveis por desencadear um ataque à algumas células específicas, como as cancerígenas.

Os principais tipos de imunoterapia utilizados no tratamento do câncer, incluem:

  • anticorpos monoclonais: versões artificiais das proteínas do sistema imunológico que podem ser projetados para atacar uma parte específica de uma célula cancerígena;
  • inibidores do controle imunológico: responsáveis por eliminar a interrupção do sistema imunológico, auxiliando no reconhecimento e ataque das células cancerígenas;
  • vacinas: medicamentos produzidos a partir das próprias células tumorais do paciente ou de substâncias coletadas a partir das células tumorais.

Além disso, o tratamento imunológico também auxilia no tratamento das doenças autoimunes. Há alguns anos, a imunoterapia auxiliava apenas as doenças autoimunes reumatológicas, como a artrite reumatoide, lúpus eritematoso sistêmico e espondilite anquilosante.

No entanto, atualmente, assim como no tratamento do câncer, a imunoterapia também é capaz de utilizar os anticorpos monoclonais para atingir grupos celulares muito específicos. Isso acontece, por exemplo, para o caso das células imunológicas que desenvolvem resposta imune ao próprio organismo, causando as doenças autoimunes.

Medicamentos imunobiológicos

Os medicamentos imunobiológicos representam uma forma de tratamento extremamente eficaz para o controle das doenças autoimunes

Consistem em uma nova geração de medicamentos que são capazes de melhorar consideravelmente as manifestações crônicas dessas doenças, de forma a trazer muito mais qualidade de vida aos seus pacientes.

Os imunobiológicos são anticorpos monoclonais, que atuam como receptores ou bloqueadores da sinalização intracelular. Dessa forma, são capazes de desenvolver como alvo os receptores de superfície, citocinas e até mesmo moléculas de sinalização intracelular, que estão envolvidas no processo de resposta inflamatória das doenças autoimunes.

O tratamento com os imunobiológicos atua em diversas doenças, mas principalmente, podemos destacar:

 

  • artrite psoriásica;
  • espondilite anquilosante;
  • doença de crohn;
  • retocolite ulcerativa;
  • psoríase;
  • esclerose múltipla;

 

Outro benefício dos medicamentos imunobiológicos para as doenças autoimunes, está na facilidade de aplicação do tratamento

A administração da medicação se dá por via subcutânea ou endovenosa e o paciente não precisa ficar internado, ou circulando dentro de um hospital, já que todo o procedimento é feito em centros de infusão especializados.

Como encontrar um centro de infusão especializado?

Para certificar-se que está em um centro de infusão especializado ao realizar os tratamentos mencionados, esteja atento a alguns critérios indispensáveis que devem ser constatados:

  • o tratamento deve ser orientado por médicos e enfermeiros devidamente capacitados para atuar nessa especificidade;
  • é fundamental que o paciente observe as condições da estrutura física do local, assim como a verificação de poltronas, bomba de infusão, carrinho de parada e desfibrilador;
  • é importante constatar a capacidade técnica do corpo de enfermagem e da equipe multidisciplinar, questionando-os se estão habilitados a agir em caso de algum evento adverso.

Fique à vontade para questionar sobre a sua segurança ao realizar qualquer procedimento, já que isso consiste em um direito do paciente

Não hesite em verificar a segurança do espaço, do material e da equipe, pois, uma clínica de confiança terá prazer em lhe orientar da melhor forma possível.

Gostou desse artigo? Entre em contato com a Clínica Soma e conheça os tratamentos disponíveis para o câncer e doenças autoimunes.


Material escrito por:
- CRM/SC 17.376 - RQE 14.798
Publicado em 09/02/2020

Curso de Medicina na Universidade Federal de Santa Catarina (2011). Especialização em Clínica Médica no Hospital das Clínicas da USP...

Whatsapp