Blog

Hipotireoidismo: tudo o que você precisa saber sobre a doença

Material escrito por:
Clínica Soma
Hipotireoidismo: tudo o que você precisa saber sobre a doença

O hipotireoidismo é uma condição que afeta a produção dos hormônios da tireoide, causando a deficiência da substância para o controle metabólico. Assim, há uma queda na quantidade de hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina).

Trata-se do distúrbio mais comum da glândula tireoide, presente em mais de 5% da população e mais de 4,7 milhões de brasileiros acima dos 35 anos.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), o hipotireoidismo é mais comum nas mulheres. Além disso, apesar de atingir pessoas de todas as idades, os endócrinos recomendam maior atenção após os 40 anos, já que há um risco maior de desenvolvimento da doença.

Se você sofre com essa condição ou está sentindo alguns dos sintomas relacionados ao hipotireoidismo, chegou ao lugar certo. No artigo de hoje, conheça tudo o que você precisa saber sobre a doença e como iniciar o tratamento.

O que é o hipotireoidismo?

Para entendermos melhor o que é o hipotireoidismo, precisamos conhecer mais sobre a tireoide. Essa glândula está localizada na base do pescoço, logo abaixo da laringe e tem um formato de borboleta, sendo responsável pela produção dos hormônios T3 e T4.

Essas substâncias agem na regulação do nosso metabolismo, isto é, no modo como o nosso corpo usa e armazena a energia necessária para funcionar.

No hipotireoidismo, a tireoide sofre com a produção insuficiente desses hormônios. Isso pode comprometer o funcionamento metabólico, causando inúmeros sintomas, principalmente em relação ao ganho de peso.

Hipotireoidismo primário e secundário

É difícil conhecer a origem do hipotireoidismo. Contudo, essa condição pode se manifestar de duas maneiras principais:

  • Primária: devido a uma doença na tireoide.
  • Secundária: devido a uma doença no hipotálamo ou hipófise.

A seguir, veja as especificações de cada uma delas.

Hipotireoidismo primário

O hipotireoidismo primário ocorre por conta de uma doença na tireoide, com elevação do TSH. Normalmente, é uma condição decorrente de uma doença autoimune, resultando na tireoidite de Hashimoto.

Além disso, o hipotireoidismo primário também pode ter origem pós-terapêutica, quando o paciente é submetido por radioiodo ou cirurgia para hipertireoidismo ou bócio.

Hipotireoidismo secundário

Já o hipotireoidismo secundário ocorre com a produção insuficiente de TRH (hipotálamo) ou de TSH (hipófise). Ainda não se sabe ao certo o que causa essa condição nos pacientes.

Quais são os principais sintomas do hipotireoidismo?

Independentemente do tipo de doença, tanto o hipotireoidismo primário quanto o secundário costumam manifestar os mesmos sintomas. São eles:

  • cansaço e fraqueza recorrentes;
  • ganho de peso sem causa aparente;
  • intolerância ao frio;
  • perda de cabelo;
  • diminuição do suor;
  • dores nas articulações;
  • síndrome do túnel do carpo;
  • alterações na menstruação;
  • infertilidade;
  • perda da libido;
  • inchaços.

Quando o hipotireoidismo não é tratado, o paciente pode desenvolver hipertensão, anemia, aumento do colesterol e até mesmo entrar em coma.

O hipotireoidismo não tem cura. Isso significa que o paciente tem que aprender a conviver com a doença, porém mantendo o tratamento em dia. Com o controle da produção hormonal, é possível reduzir significativamente os sintomas e ter melhor qualidade de vida.

Como é o diagnóstico do hipotireoidismo?

O diagnóstico do hipotireoidismo é feito com a análise da dosagem de TSH, T4 livre e dos anticorpos contra tireoide (anti-TPO e anti-tireoglobulina). Para identificar as substâncias, é preciso coletar uma amostra de sangue do paciente.

Normalmente, constata-se o hipotireoidismo quando os níveis de TSH estão maiores que 4 mU/L. Há pessoas que possuem alteração nos hormônios, porém não têm sintomas da doença. Essa condição é conhecida como hipotireoidismo subclínico.

Como é feito o tratamento do hipotireodismo?

O tratamento para hipotireoidismo é feito com a administração periódica de hormônios tireoidianos sintéticos. O paciente deve tomar uma dose diária, em jejum. Além disso, recomenda-se esperar 30 minutos depois da ingestão do medicamento para se alimentar ou tomar outro remédio.

Os efeitos são sentidos logo após algumas semanas com o início do tratamento. Há redução dos sintomas, principalmente do cansaço. 

O principal objetivo do tratamento de hipotireoidismo é manter o paciente com o TSH normal e melhorar a qualidade de vida.

Dependendo da gravidade da doença, ou até mesmo do aprofundamento de alguma condição, como bócio ou tumor na tireoide, o médico pode recomendar a retirada da glândula (ou de uma parte). Porém, o uso dos hormônios sintéticos permanece.

Quer saber mais sobre o tratamento do hipotireoidismo? Entre em contato com a Clínica Soma para tirar suas dúvidas!

Conteúdos Relacionados