Doença inflamatória intestinal

A Doença Inflamatória Intestinal (DII) atinge cerca de 10 milhões de pessoas em todo o mundo, de acordo com o Ministério da Saúde.

Ouça este conteúdo:

 

Quando falamos em DII, estamos nos referindo a doenças que se caracterizam pela sua recorrência e mediação imunológica a partir do intestino, onde há a ocorrência de um processo inflamatório crônico.

Por isso, podemos dizer que a Doença Inflamatória Intestinal engloba essencialmente duas doenças: a Retocolite Ulcerativa (RCU) e a Doença de Crohn.

Conheça um pouco mais sobre cada uma delas, assim como seus sintomas, diagnóstico e tratamento:

Doença Inflamatória Intestinal (DII): o que é preciso saber?

Embora acometa os jovens adultos principalmente, a DII pode atingir pessoas de qualquer faixa etária. Como vimos, tanto a Doença de Crohn, quando a Retocolite Ulcerativa são caracterizadas por inflamações crônicas, de caráter recorrente e também progressivo.

A Retocolite Ulcerativa provoca inflamação de caráter crônico no intestino grosso, mais precisamente na camada superficial do cólon, ou seja,  na mucosa da região. Vale ressaltar que a inflamação pode acometer todo o cólon, embora o mais comum seja que o processo inflamatório se inicie no reto.

Já a Doença deCrohn tende a provocar uma inflamação que pode acometer todas as camadas da parede intestinal, sendo mais frequente atingir a porção final do intestino delgado, chamada de íleo. Além disso, pode também acometer, de forma salteada, desde a boca ao ânus, além da região perianal.

É importante esclarecer ainda que quando há presença de estreitamentos intestinais e fístulas, há chances de que maiores complicações apareçam.

Sintomas da DII: como identificar o problema?

Primeiramente, é importante considerar que todos os sintomas da DII podem se agravar após a ingestão de determinados alimentos, como álcool, cafeína e alimentos gordurosos.

De forma geral, podemos orientar como sintomas gerais da Doença Inflamatória Intestinal, as seguintes manifestações:

  • desconforto abdominal;
  • cólicas intestinais;
  • sensação de barriga estufada;
  • flatulência exagerada;
  • sensação de esvaziamento incompleto do intestino;
  • diminuição do apetite;
  • alternância entre períodos de prisão de ventre e diarreia.

Além disso, podemos acrescentar que no caso da Retocolite Ulcerativa, pode surgir ainda a presença de dor anal, acompanhada de diarreia com muco e sangue, além de outras manifestações como aftas na boca e inflamações na pele e nos olhos.

Já sobre os sintomas específicos e característicos da Doença de Crohn, podemos acrescentar febre, dor intensa abdominal e também eliminação de sangue e muco pelas fezes, além dos sintomas gerais já prescritos.

Lembre-se sempre que para identificar a causa dos sintomas, é fundamental procurar ajuda especializada para um diagnóstico mais assertivo e seguro.

Diagnóstico

É muito importante ficar atento para a comprovação de um diagnóstico seguro. Isso, pois os sintomas da Doença de Crohn e da Retocolite Ulcerativa são muito parecidos, já que ambas as doenças correspondem a inflamações no trato gastrointestinal.

Além disso, por se caracterizarem por manifestações comuns, é comum que as pessoas levem um tempo muito maior para descobrir a doença.

Por isso, atenção: diante da presença de diarreia prolongada por mais de uma semana, principalmente se vier acompanhada de sangue, muco, febre e emagrecimento, procure ajuda médica imediatamente. Também é importante redobrar a atenção se os sintomas aparecem e desaparecem em tempos intercalados.

A partir da descrição dos sintomas, com a análise do histórico clínico do paciente e o acompanhamento de exames, o diagnóstico será confirmado. Logo após esse processo, o especialista deverá orientar o paciente sobre o tratamento das Doenças Inflamatórias Intestinais (DII).

Tratamento: como lidar com a DII?

É importante constatar que a Doença Inflamatória Intestinal não tem cura, mas é totalmente possível conviver com o problema, quando é tratado corretamente. Além disso, os tratamentos para as doenças autoimunes estão cada vez mais promissores.

Atualmente, o surgimento de medicamentos imunobiológicos possibilita a melhora do quadro da doença, já que sua ação permite controlar as células e mediadores imunobiológicos desencadeadores da inflamação, o que impede a progressão do problema.

Dessa forma, dizemos com clareza que os medicamentos imunobiológicos representam uma alternativa de tratamento extremamente eficaz para o controle das doenças autoimunes. São caracterizados como anticorpos monoclonais, que atuam como receptores ou bloqueadores da sinalização intracelular.

Por isso, quando a DII é tratada com o auxílio de imunobiológicos, o paciente é capaz de usufruir de maior qualidade de vida e conviver com o problema realizando suas atividades rotineiras com maior tranquilidade.

Gostou do artigo? Entre em contato com a nossa equipe para mais informações. Para continuar acompanhando conteúdos confiáveis, siga o Instagram e no Facebook da Soma.

Doença inflamatória intestinal

Gostou? Compartilhe

Material escrito por:
Clínica Soma
Tratamentos oncológicos e com imunobiológicos em Florianópolis