Como se manifesta a inflamação da artrite reumatoide?

25/10/2018

Como se manifesta a inflamação da artrite reumatoide?

A artrite reumatóide é uma doença autoimune que, na maioria das vezes, ataca as várias articulações do corpo humano. No entanto, embora atinja primordialmente as articulações, é possível que também se manifeste em outras partes do corpo.

Considerada também uma doença crônica e de caráter inflamatório, a sua causa ainda é desconhecida. De acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), a artrite reumatóide acomete duas vezes mais as mulheres, do que os homens. Geralmente, é possível que se inicie entre os 30 e 40 anos, sendo natural que progrida com o envelhecimento. Mas o que será que muda no organismo com a presença da doença?

Como a artrite reumatoide se manifesta?

A artrite reumatoide pode iniciar em uma ou duas articulações e se espalhar progressivamente. Dessa forma, é provável que as dores e o inchaço apareçam tanto no lado direito, quanto no lado esquerdo do corpo e o incômodo pode ser bastante forte e persistente.

Ainda assim, pode ser que algumas articulações estejam mais inflamadas do que outras, embora várias possam apresentar desconforto. Os sintomas que mais sinalizam a presença da artrite reumatóide são:

  • vermelhidão, calor, edema e dor nas articulações do corpo, sendo mais comum atingir mãos, pés, dedos dos pés e das mãos, pulsos, cotovelos, tornozelos, joelhos, ombros e quadris;
  • a coluna cervical é severamente atacada, na maioria dos casos;
  • rigidez matinal e fadiga, que tendem a progredir à medida que a doença avança;
  • destruição da cartilagem articular;
  • deformidades em articulações periféricas, como desvio ulnar, joanete, dedos em botoeira, dedos em pescoço de cisne são comuns;
  • dificuldade de realizar atividades diárias;
  • a coluna lombar e dorsal podem ser acometidas, embora sejam situações bastante raras;
  • perda de peso e febre baixa também podem aparecer como sintomas;
  • é possível que a pele, músculos, unhas, coração, rins, pulmão, olhos, sangue e sistema nervoso possam ser atingidos, embora seja menos comum;
  • Síndrome de Felty, caracterizada pelo aumento dos gânglios linfáticos e baço e diminuição dos glóbulos brancos, pode ser apresentada como um sintoma.

 

Como são essas inflamações?

Na maioria dos casos, as inflamações são rígidas e dolorosas, principalmente após acordar. Assim, o incômodo da rigidez pode durar mais de uma hora e os pacientes se queixam de sentirem-se fracos e cansados.

As articulações que são atingidas aumentam seu tamanho, quentes e muito sensíveis, em decorrência do inchaço dos tecidos moles que revestem as articulações (sinovite) ou do próprio líquido sinovial que sustenta a junta. Dessa forma, é possível que as articulações se encontrem cada vez mais deformadas ou mesmo se tornem tão rígidas, a ponto de ser muito difícil a execução de movimentos simples.

Condições mais raras de manifestação da artrite reumatóide

Uma condição rara é a inflamação dos vasos sanguíneos, chamado vasculite. Nesse caso, o conteúdo sanguíneo é suprimido para os tecidos, levando à lesões dos nervos ou mesmo desencadeando úlceras nos membros inferiores. Há ainda outras inflamações menos comuns que a artrite reumatoide promove:

  • inflamação da pleura, membrana que envolve o pulmão;
  • inflamação do pericárdio, membrana que envolve o coração;
  • inflamação dos gânglios linfáticos, chamado de linfadenopatia.

Em caso de suspeita, procure um médico

De uma maneira geral, a artrite reumatoide começa lentamente e vai se intensificando de forma gradual, muito embora também possa apresentar início súbito. Por isso, é importante esclarecer que os sintomas da artrite reumatoide podem ser quase imperceptíveis ou vir acompanhados de crises ocasionais, pautadas por longos períodos em que a doença permanece inativa. Por isso, é fundamental que, em caso de persistência dos sintomas, o paciente procure um especialista de confiança e busque tratamento em uma clínica especializada no tratamento de doenças autoimunes. O acompanhamento para cada caso respeita a individualidade e é direcionado para a qualidade de vida daquele paciente.