Blog

Adenocarcinoma: o que significa quando esta palavra aparece no resultado do exame?

Material escrito por:
Clínica Soma
Adenocarcinoma: o que significa quando esta palavra aparece no resultado do exame?

O adenocarcinoma se caracteriza por um tumor maligno que pode atingir quase todos os órgãos do corpo, como os pulmões, intestinos, pâncreas, fígado, colo do útero, dentre outros.

Dizemos que o adenocarcinoma é um tumor derivado das células glandulares epiteliais secretoras. Embora na maioria das vezes, as células desse tipo de tumor pertençam a uma glândula, essa não é uma condição para o desenvolvimento do adenocarcinoma, que ocorre, necessariamente, em células secretoras. 

É importante alertar que as células epiteliais também podem originar um adenoma, que representa um tumor benigno, mas que pode acabar evoluindo para um adenocarcinoma

Por isso, é importante ficar muito atento aos sintomas e fazer um acompanhamento médico regular, já que quando identificado precocemente, as chances de sucesso para o tratamento dos adenocarcinomas aumentam de forma considerável.

Acompanhe as informações mais relevantes sobre o adenocarcinoma e entenda o que significa quando o resultado do exame identifica a presença desse tipo de câncer

Adenocarcinoma: conheça as principais causas

Embora as causas exatas do aparecimento dos adenocarcinomas ainda sejam desconhecidas pela comunidade científica, sabe-se que alguns fatores gerais contribuem para o seu desenvolvimento, como, por exemplo:

  • hereditariedade;
  • poluição;
  • idade avançada;
  • tabagismo, nos tumores de pulmão;
  • reposição hormonal, nos tumores de mama;
  • qualidade da alimentação, nos tumores de estômago ou intestino.

De qualquer maneira, vale ressaltar que esses são fatores de riscos gerais para o surgimento dos adenocarcinomas, que podem se manifestar em quase todos os órgãos do corpo humano.

Vejamos agora, qual a melhor forma de detectar os adenocarcinomas pela sua abrangência de manifestações sintomáticas.

É possível identificar os sintomas do adenocarcinoma?

Os sintomas dos adenocarcinomas são diversos, pois dependem diretamente de qual órgão estão afetando ou comprimindo. 

Além disso, conforme a sua localização, os adenocarcinomas podem evoluir durante muito tempo sem apresentar nenhum sintoma ou apresentar sintomas pouco específicos.

De qualquer forma, embora a sintomatologia gerada seja extremamente variável em decorrência da abrangência da localização desse tipo de tumor, é possível identificar uma amostragem dessas manifestações.

Adenocarcinoma de pulmão

O adenocarcinoma de pulmão é uma das mais frequentes formas de câncer de pulmão, sendo comum, também, em pessoas não fumantes. Dentre os sintomas mais comuns, podemos citar: tosse; escarro com vestígios de sangue; dispneia; dor torácica; perda de peso e chiado no peito.

Às vezes, os sintomas evoluem durante muito tempo sem demonstrar nenhuma manifestação e, geralmente, o diagnóstico costuma ser feito em um exame de imagem do tórax, normalmente solicitados por outros motivos. 

Adenocarcinoma de intestino

Como o câncer do cólon ou de intestino pode evoluir sem apresentar nenhum sintoma em sua fase inicial e, geralmente, esse tipo de câncer também é frequentemente detectado durante um exame de rotina ou em razão da suspeita de outro diagnóstico.  

No entanto, quando os sintomas começam a aparecer, eles costumam ser descritos por: dor abdominal; sangramento retal; sangue oculto nas fezes; mudanças nos hábitos intestinais e anemia.

Além disso, nos casos mais avançados da doença, é possível perceber o crescimento anormal de massa abdominal, assim como hepatomegalia, que consiste no crescimento do fígado, e ascite, conhecida como “água na barriga”.

Adenocarcinoma de colo do útero

Também de difícil demonstração de sintomas, o adenocarcinoma de colo do útero pode não se manifestar inicialmente. 

No entanto, quando começam a aparecer, os sintomas caracterizam-se como: sangramento vaginal intermitente; secreção vaginal de odor fétido; dor abdominal e distúrbios urinários e/ou intestinais, nos casos mais avançados.

Adenocarcinoma de pâncreas

Geralmente, a maior incidência dos tumores que aparecem no pâncreas são adenocarcinomas. Da mesma forma que a maioria, tendem a crescer silenciosamente. 

Por evoluir sem apresentar sintomas, os adenocarcinomas de pâncreas só são descobertos em um estágio tardio da doença, muitas vezes como consequência de metástase

De qualquer forma, quando apresentam sintomas precoces, os mais comuns costumam ser dor, icterícia e perda de peso.

Além disso, é possível que a evolução da doença afete a compressão de órgãos vizinhos, como o colédoco, canal que drena a bile da vesícula para o intestino, que pode ser fortemente afetado e desencadear bloqueios e impedimentos em sua função. 

Adenocarcinoma de estômago

Em uma fase inicial, o adenocarcinoma de estômago também pode não apresentar nenhum tipo de sintoma. Entretanto, quando surgem, podemos destacar como os mais característicos:

  • anorexia;
  • enjoos;
  • sensação precoce de estômago cheio;
  • intolerância à carne, com dificuldade de digestão;
  • dor abdominal;
  • dificuldade de engolir;
  • digestão imperfeita;
  • emagrecimento.

Nos estágios mais avançados, pode haver ainda a identificação de massa tumoral palpável na região onde fica o estômago, além de sangramento intestinal alto, fraqueza extrema e anemia severa.

Adenocarcinoma de mama

A grande maioria dos tumores da mama são do tipo adenocarcinomas e se iniciam nos tecidos glandulares. 

Geralmente, manifestam-se como um nódulo duro, indolor e sem mobilidade. De início, podem gerar os seguintes sintomas:

  • deformidade e aumento de volume da mama;
  • retração do mamilo;
  • crescimento dos gânglios axilares;
  • vermelhidão;
  • edemas;
  • dor e secreção de líquido pelos mamilos.

É válido considerar que a imensa variedade dos sintomas pode dificultar as análises das suspeitas de adenocarcinomas. No entanto, quando o paciente procura um especialista a partir de um sintoma, uma investigação profunda será destinada a encontrar a causa do desconforto.

De qualquer forma, como a maioria dos casos são assintomáticos, é recomendado que as visitas ao médico sejam regulares. Dessa maneira, é possível confirmar um diagnóstico precoce de adenocarcinoma, o que facilita consideravelmente as chances de cura da doença.

Como é feito o diagnóstico?

Assim como o diagnóstico da maioria dos outros tipos de câncer, o diagnóstico por imagem do adenocarcinoma é feito por meio da coleta do material em uma biópsia e, posteriormente, examinado em um microscópio. 

Caso o tumor seja descoberto, é fundamental recorrer ao tratamento oncológico imediato, já que os adenocarcinomas são tumores de rápida progressão. 

Por isso, quando há demora no diagnóstico e tratamento, é provável que a doença se espalhe por meio de metástases com maior facilidade, permitindo ao câncer atingir outros órgãos, além do local de origem.

O que fazer ao receber o diagnóstico de um adenocarcinoma? 

Primeiramente, o paciente deve manter a calma e conversar cuidadosamente com o seu médico para tirar todas as dúvidas sobre a doença. Depois disso, o oncologista irá orientar o paciente sobre todas as possibilidades de tratamento.

De qualquer forma, é importante deixar claro que quando o adenocarcinoma aparece em um exame, significa que o paciente está com um tipo de câncer bastante agressivo e de difícil remoção cirúrgica. Por isso, o ideal é que o tratamento seja realizado o quanto antes.

Como é o tratamento para o adenocarcinoma?

O tratamento para o adenocarcinoma inclui a remoção cirúrgica do tumor e a aplicabilidade dos consequentes cuidados para evitar as possíveis complicações da doença.

Assim sendo, após a cirurgia, o paciente deve passar por uma quimioterapia e/ou radioterapia, para evitar que o tumor possa recidivar. Já para os casos terminais, os cuidados paliativos serão fundamentais.

Ainda ficou com dúvida sobre o tema? Entre em contato com a nossa equipe, ficaremos felizes em te ajudar!

Conteúdos Relacionados