Blog

O que são pólipos?

Material escrito por:
Dr Felipe de Borba Chiaramonte Silva - CRM/SC 14780 – RQE 12324
O que são pólipos?

Os pólipos referem-se ao crescimento desordenado das células do tecido de um órgão. Normalmente, eles são benignos, ou seja, não representam grandes riscos à saúde, embora muitos podem representar uma lesão precursora de um câncer. Uma maneira de prevenir o aparecimento dos tumores é a detecção e a remoção dos pólipos antes de eles se tornarem malignos.

Por isso, estar com os exames em dia, principalmente em casos de predisposição genética para desenvolver algum tipo de tumor, é a melhor atitude. Afinal de contas, alguns tipos de pólipos são resultantes de fatores genéticos.

Embora os pólipos sejam benignos na maioria dos casos, eles podem resultar em vários tipos de cânceres, incluindo no cólon do intestino e no útero. Além disso, os pólipos que se formam no colo do útero podem causar infertilidade, pois bloqueiam a passagem dos espermatozoides e dificultam a implantação do embrião.

Alguns pólipos podem apresentar a forma de cogumelo (pedicular), outros se parecem com verrugas (séssil). Eles são mais frequentemente encontrados em pessoas com idade acima de 50 anos. Mas isso não é uma regra.

No artigo de hoje, conheça os casos mais recorrentes de pólipos no corpo humano.

O que são pólipos intestinais?

Os pólipos intestinais representam uma alteração causada pelo crescimento anormal da mucosa do intestino grosso (cólon e reto). É uma das condições mais comuns que afeta o intestino, ocorrendo em 15 a 20% da população, porém com uma incidência muito maior (até 40%) para pessoas acima de 50 anos.

Esse tipo de pólipo pode crescer na parede intestinal ou retal, projetando-se no interior dessas regiões, em qualquer parte do intestino grossos.

Inicialmente, são pequenos e benignos (adenoma), podendo crescer até sofrerem transformação maligna (adenocarcinoma). Por este motivo, é tão importante a remoção dos pólipos, com a finalidade de prevenir o câncer de intestino.

A seguir, conheça os principais pólipos intestinais.

 Pólipos adenomatosos ou Adenomas 

A maioria dos pólipos é do tipo adenoma. Grande parte deles não apresentam malignidade, mas quase todos os pólipos que se tornam malignos são adenomatosos. Existem dois tipos de pólipos adenomas: os tubulares, que possuem apenas 5% de chance de se tornarem malignos, e os vilosos, com 40% de chance de apresentar malignidade.

Hiperplásicos  

O risco de câncer varia com o tamanho e localização dos pólipos hiperplásicos ou serrilhados. Pequenos pólipos serrilhados no cólon inferior raramente são malignos. Pólipos serrilhados maiores que um centímetro, tipicamente planos e difíceis de detectar, localizados no cólon superior, são pré-cancerosos e, portanto, devem ser removidos cirurgicamente.

Inflamatórios 

Pólipos inflamatórios estão associados à colite ulcerativa ou à doença de Crohn. Embora os pólipos, em si, raramente sejam cancerosos, ambas as doenças estão associadas a um maior risco de câncer de intestino.

Hamartomas 

Os pólipos hamartomas geralmente estão associados à Síndrome de Peutz–Jeghers e com a polipose juvenil. Este tipo de pólipo não tem risco de malignidade, mas aponta para um risco maior de adenocarcinoma intestinal (um tipo de câncer de intestino).

O que são pólipos uterinos? 

O pólipo uterino, também chamado de pólipo endometrial, não é um câncer, mas, em alguns casos, ele pode se transformar em uma lesão maligna (cerca de 3% tendem a se malignizar para câncer de cólo de útero).  A maior chance de malignização ocorre com mulheres acima dos 60 anos, com pólipos maiores que 1,5cm.

Por isso, é muito importante que as características do pólipo sejam avaliadas e acompanhadas a cada seis meses, para verificar se continua do mesmo tamanho.

As mulheres que possuem um risco maior de desenvolver câncer endometrial são aquelas que, além de alteração hormonal, apresentam uma dieta pobre em nutrientes, não adotam um estilo de vida saudável, têm pressão alta ou histórico de pólipos uterinos na família. Normalmente, a ocorrência é mais comum a partir dos 50 anos.

Os pólipos no útero podem ocasionar cólica, devido à contração uterina, na tentativa de eliminá-lo. No entanto, eles podem ser assintomáticos, percebendo a presença dos pólipos somente durante o exame diagnóstico.

O tratamento envolve a eliminação do pólipo durante o exame pélvico em consultório. Em geral, não é preciso administração de anestesia.

O que são pólipos gástricos? 

Os pólipos gástricos representam um crescimento anormal de tecidos originados na mucosa do estômago, podendo ter diferentes constituições e formatos.

As causas para o aparecimento de pólipos no estômago estão relacionadas ao envelhecimento, à graves problemas gástricos ou talvez devido a algum medicamento que o paciente esteja tomando.

Em geral, os pólipos gástricos são benignos. Contudo, em alguns casos extremos, é possível que esses pólipos evoluam para um tumor maligno. Normalmente, os pólipos gástricos são múltiplos e pequenos. Mas podem aparecer pólipos de grandes dimensões.

Qual o tratamento para o pólipo? 

Os pólipos benignos não necessitam de grandes tratamentos. No entanto, recomenda-se a remoção, visto que o procedimento pode ser bem simples. Para os que apresentam predisposição à malignidade, devem ter uma atenção redobrada, tanto do paciente quanto do seu médico.

Neste sentido, é preciso, sempre, discutir com um médico a gravidade da presença dos pólipos no corpo. Somente este profissional poderá analisar caso a caso e indicar a necessidade, ou não, da retirada, via cirurgia, dos pólipos.

Você tem pólipos? Saiba mais sobre essa condição com os nossos conteúdos! Siga a Clínica Soma no Facebook e Instagram.

Conteúdos Relacionados