Blog

Câncer de pâncreas: aprenda a reconhecê-lo

Material escrito por:
Clínica Soma
Câncer de pâncreas: aprenda a reconhecê-lo

O câncer de pâncreas é um tipo de câncer muito difícil de ser diagnosticado e de comportamento agressivo, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA). No Brasil, é responsável por cerca de 2% de todos os tipos de câncer diagnosticados.

Por esse motivo, é muito importante estar atento aos sintomas para saber identificá-lo logo no início de seus sinais. Contudo, as descrições dos sintomas se dividem de acordo com os dois tipos da doença:

  • câncer de pâncreas exócrino e;

  • câncer de pâncreas endócrino.

Vamos entender um pouquinho melhor sobre eles.

Tipos de câncer de pâncreas

Em indivíduos saudáveis, o pâncreas exerce duas funções distintas. Uma delas é a função endócrina, exercida pelas células que produzem insulina, sendo fundamental para controlar os níveis de açúcar do sangue.

O outro papel do pâncreas é realizar sua função exócrina, responsável por exercer as células produtoras de enzimas, participantes do processo de digestão e absorção dos alimentos. Assim, é possível que o câncer de pâncreas acometa ambas as partes.

Adenocarcinoma

O tipo mais comum e geralmente mais agressivo é o adenocarcinoma, que agride a parte exócrina do pâncreas. Esse câncer é originado nas células exócrinas do pâncreas, sendo muitas vezes desencadeado pelos efeitos do tabagismo.

Tumores das células das ilhotas do pâncreas

Caracterizado pelo segundo tipo mais comum de câncer de pâncreas, os tumores das células ilhotas do pâncreas se originam, diferente do adenocarcinoma, nas células endócrinas.

Eles podem ser benignos ou malignos. O mais comum é denominado insulinoma, responsável por produzir insulina em excesso e provocar casos graves de hipoglicemia (quando ocorre uma queda do acúmulo de glicose no sangue).

Sintomas do câncer de pâncreas

É importante ressaltar que, ao apresentar um ou mais dos sintomas descritos, não significa que seja necessariamente um quadro de câncer no pâncreas. Isso, pois vários dos sintomas são susceptíveis de serem provocados por outras condições clínicas.

Os sintomas do câncer de pâncreas se dividem em seus respectivos tipos:

Sinais e sintomas do câncer de pâncreas exócrino

Para perceber sinais ou sintomas do câncer de pâncreas exócrino, é importante se atentar à:

  • icterícia (pele amarelada);

  • urina escura;

  • fezes claras;

  • coceira na pele;

  • dor abdominal ou nas costas;

  • perda de peso e falta de apetite;

  • cansaço e fadiga;

  • problemas digestivos;

  • aumento da vesícula biliar;

  • coágulos sanguíneos em veias da perna, acompanhados de quadros de trombose venosa profunda;

  • anormalidades do tecido adiposo abaixo da pele;

  • diabetes.

Sinais e sintomas do câncer de pâncreas neuroendócrino

Já entre os sinais e sintomas do câncer de pâncreas neuroendócrino, podemos citar:

  • gastrinomas: tumor que provoca gastrina em excesso, exatamente quando o estômago produz muito ácido, causando úlceras, dores, náuseas e perda de apetite;

  • glucagonomas: tumor que produz glucagon, hormônio que aumenta os níveis de açúcar no sangue;

  • insulinomas: tumores que produzem insulina, o que acaba reduzindo os níveis de glicose no sangue;

  • somatostatinomas: tumores que produzem somatostatina, responsável por regular outros hormônios;

  • VIPomas: tumores que produzem uma substância chamada peptídeo intestinal vasoativo, que em altas quantidades pode causar diarreia e baixos níveis sanguíneos de potássio, assim como baixos níveis de ácido no estômago e níveis elevados de glicose no sangue;

  • tumores carcinoides: tumores que produzem serotonina ou seu precursor 5-HTP, que chegam primeiro ao fígado;

  • tumores não funcionais: tumores que não produzem hormônios de início, portanto não apresentam sintomas no estágio inicial;

  • metástases: geralmente o tumor de pâncreas se espalha para o fígado, pulmões e ossos;

Instituto Nacional de Câncer (INCA), afirma que mesmo não existindo um conhecimento exato das causas do câncer de pâncreas, existem alguns fatores de risco que podem contribuir para o surgimento da doença.

A predisposição genética, assim como os fatores ambientais e comportamentais (como idade, tabagismo, obesidade e diabetes), são as principais causas da doença.

Contudo, com exceção da predisposição genética, que é definitiva, os outros fatores são passíveis de alteração, tornando possível prevenir o câncer de pâncreas.

Ao assumir um estilo de vida saudável, você consegue diminuir as chances de desenvolver a doença. Além disso, o rastreamento desse tipo de câncer possibilita um diagnóstico precoce, o que aumenta as chances de um tratamento eficaz e bem sucedido.

Novamente, é muito importante estar atento aos sintomas da doença. Se perceber qualquer sinal, é fundamental recorrer à ajuda médica para a investigação do problema. Assim, se o diagnóstico for positivo, é importante que o tratamento seja iniciado o quanto antes. Saiba também como lidar melhor com o câncer e viver com qualidade de vida durante o tratamento.

Gostou do artigo? Então acesse o nosso blog e fique por dentro de mais conteúdos como esse! Aproveite e nos siga no Facebook Instagram para conferir dicas e informações exclusivas.

Conteúdos Relacionados